Buscar

Como funciona esse tal de ENEM?


ENEM

A história do ENEM


O Exame Nacional do Ensino Médio, mais conhecido como ENEM, foi criado pelo Ministério da Educação (MEC) em 1998 para avaliar o desempenho dos estudantes ao final da educação básica, que é aplicada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Em suas primeiras edições a prova continha 63 questões divididas da mesma forma que as matérias escolares: geografia, história, matemática, ciências, etc. Além das questões, havia ainda uma proposta de redação e tudo isso precisava ser concluído em 5 horas de prova.


Em 2008 o exame passou por uma reformulação e a partir de então mantém a estrutura utilizada hoje em dia: 180 questões divididas em 4 grandes áreas – Linguagens, Códigos e suas Tecnologias; Ciências Humanas e suas Tecnologias; Matemática e suas tecnologias; e Ciências da Natureza e suas Tecnologias – mais uma proposta de redação.


Até 2016 as quatro provas e a redação eram realizadas em um único fim de semana, em dois dias seguidos de prova, com 4 horas e meia no primeiro dia e 5 horas e meia no segundo. Em 2017 isso mudou e a prova passou a ocorrer em dois domingos consecutivos. Em 2018, atendendo às muitas solicitações, o INEP acrescentou 30 minutos de prova no segundo dia, quando é realizada a redação.

Um vestibular universal


Apesar de ter sido criado para avaliar

o desempenho dos concluintes do Ensino Médio, em 2004 o ENEM começou a ser utilizado para facilitar o acesso ao Ensino Superior. Nesse ano ele passou a ser usado na concessão das bolsas de estudo do ProUni.


E não parou por aí. Em 2010 o FIES também passou a adotar a nota do ENEM e ocorreu a primeira edição do (SISU). Três anos mais tarde, em 2013, quase todas as universidades federais já utilizavam a nota da prova como parte de suas seleções. E 2014 até algumas universidades portuguesas passaram a aceitar o ENEM em seus vestibulares.


A nova era: ENEM Digital

Visando maior economia e redução de danos ambientais na aplicação da prova, o MEC apresentou em 2019 um plano para digitalizar a prova. Na edição de 2020 já será possível realizar a prova em sua nova versão digital, ainda como um estudo piloto. A ideia é que até 2026 a prova seja totalmente digital.


Além da redução de gastos e material, a modalidade permitirá novos tipos de questões, com infográficos e vídeos, além de possibilitar que a lógica de jogos seja incorporada na prova. Segundo o presidente do INEP, Alexandre Lopes, "O objetivo do projeto não é simplesmente fazer uma prova em computador, mas sair do mundo analógico e passar para o mundo digital de aplicação de provas".


Em sua primeira edição, 100 mil participantes poderão realizar a modalidade digital, que ainda não é obrigatória. A estrutura da prova se mantém a mesma da prova tradicional. O inscrito irá até um local de prova previamente indicado e realizará quatro provas objetivas de 45 questões e uma redação, que ainda será aplicada em papel. A prova de língua estrangeira mantém as opções tradicionais de inglês e espanhol. As questões, apesar de serem diferentes da prova aplicada em papel, manterão o mesmo nível de dificuldade.


Datas atualizadas do ENEM 2020
Datas atualizadas do ENEM 2020

Qual é o cronograma do ENEM 2020?

As inscrições para o ENEM 2020 ocorrerão entre os dias 11 e 22 de maio e terão uma taxa de R$85,00, a mesma do ano passado, que deve ser paga até o dia 28 de maio. Nessa edição, o INEP garantirá a gratuidade a todos os inscritos que se enquadram no perfil descrito no edital, mesmo sem a formalização do pedido de isenção.


Será possível optar pela versão digital ou impressa no ato da inscrição, porém nem todas as cidades terão a aplicação das provas digitais (confira a lista aqui). A versão tradicional será aplicada nos dias 01 e 08 de novembro e a digital nos dias 22 e 29 de novembro. O resultado da prova será liberado em janeiro de 2021. Para mais informações sobre o ENEM 2020, acesse o portal da prova.

22 visualizações