Buscar

Saiba tudo sobre a Engenharia Elétrica


Símbolo não oficial da Engenharia Elétrica. É comum que o curso seja representado por um raio circunscrito por meia engrenagem de um lado e a representação de elétrons em suas respectivas camadas atômicas de outro

A Engenharia Elétrica surgiu em meados do século XIX, quando a energia elétrica começou a ser utilizada e distribuída. No Brasil, o curso abrange também as disciplinas da Engenharia Eletrônica e Telecomunicações.

Se a Engenharia Elétrica é uma das opções de carreira que você considera seguir, não deixe de conferir a estrutura do curso, notas de corte e candidatos por região, média salarial dos engenheiros eletricistas e alguns depoimentos de profissionais da área.

Como é o curso


O MEC, em suas diretrizes para os cursos de Engenharia institui que os alunos formados nesses cursos desenvolvam as seguintes competências em suas formações:


Competências


1. Capacidade de formular e conceber soluções de engenharia a partir da análise e compreensão dos usuários dessa solução e seu contexto

2. Aptidão para analisar e compreender os fenômenos físicos e químicos a partir de modelos simbólicos, físicos e outros, verificados e validados por experimentação

3. Habilidade para conceber, projetar e analisar sistemas, produtos, componentes ou processos

4. Competência para implantar, supervisionar e controlar as soluções de Engenharia

5. Capacidade de comunicar-se por meio escrito, oral, ou gráfico de maneira eficaz

6. Proficiência para trabalhar e liderar equipes multidisciplinares

7. Conhecimento para aplicar com ética a legislação e atos normativos no exercício da profissão

8. Capacidade de aprender de forma autônoma e lidar com situações e contextos complexos, atualizando-se em relação aos avanços da ciência, da tecnologia e desafios da inovação

Conteúdo do curso


Conteúdos básicos

· Administração e economia

· Algoritmos e Programação

· Fenômenos de Transporte

· Física

· Informática

· Matemática

· Mecânica dos Sólidos

· Metodologia Científica e Tecnológica

· Química

Conteúdos específicos

· Circuitos Elétricos

· Circuitos Lógicos

· Controle de Sistemas Dinâmicos

· Conversão de Energia

· Eletromagnetismo

· Eletrônica Analógica e Digital

· Materiais Elétricos

· Modelagem, Análise, Síntese e Simulação de Sistemas

· Telecomunicações

Melhores instituições de 2019


1. USP

2. UNICAMP

3. UFMG

4. UFRGS

5. UFRJ


Notas de corte


Na primeira edição do SISU 2020, a região com o maior número de vagas ofertadas para os cursos de Engenharia Elétrica foi a Sudeste, com 1.401. Foi onde também houve o maior número de candidatos inscritos ao curso, com 13.030.

Gráfico representativo da quantidade de vagas e candidatos para o curso de Engenharia Elétrica em cada região brasileira na primeira edição do SISU 2020

Já a região com a menor oferta de vagas para Engenharia Elétrica foi a Norte, com apenas 149. O número de candidatos na região também foi o menor do Brasil, com 1.480 inscritos.


A menor nota de corte na modalidade ampla concorrência do curso de Engenharia Elétrica na primeira edição do SISU 2020 na região Centro-Oeste foi 632,38, enquanto a maior foi 715,00.

Na região Nordeste, a menor nota de corte foi 624,26 e a maior 823,58.

No Norte, por sua vez, as notas de corte da modalidade ampla concorrência para Engenharia Elétrica variaram entre 640,47 e 789,96.

A variação da região Sudeste foi de 639,84 a 786,63.

E por fim, na região Sul, as notas de corte variaram entre 610,14 e 727,54.

Gráfico representativo das maiores e menores notas de corte da modalidade ampla concorrência em cada região brasileira para o curso de Engenharia Elétrica na primeira edição do SISU 2020

Média salarial


A região brasileira com a melhor remuneração para Engenheiros Eletricistas é a região Norte, com uma média salarial de R$8.823,37. Em segundo lugar estão os salários da região Sudeste, cuja média é R$8.109,95. Logo em seguida está a região Nordeste, com uma média salarial para a profissão de R$7.736,31. Depois vem a região Sul, com Engenheiros Eletricistas recebendo em média R$6.783,65. E a região com a menor remuneração média para esses profissionais é a região Centro-Oeste, com uma média de R$5.825,52.

Gráfico representativa do piso, média e teto salarial de engenheiros eletricistas em cada região brasileira

O que Engenheiros Eletricistas dizem sobre a profissão?


Marcio Vieira de Camargo – Engenheiro Eletricista

Foto do engenheiro eletricista Marcio Camargo
Marcio Camargo - Engenheiro Eletricista

Marcio teve contato com a profissão ainda na infância, quando seu pai, que era eletricista residencial, o levava para trabalhar com ele. A experiência precoce fez com que ele tomasse gosto por aquilo.

Para se profissionalizar, ele fez colégio Eletrotécnico, curso técnico em Eletrônica e depois Engenharia Elétrica com ênfase em Automação Não-Industrial.

Marcio me explicou que o principal diferencial dos engenheiros eletricistas com relação a outros engenheiros é justamente a capacidade de dimensionar sistemas elétricos, gerenciar e coordenar sistemas de geração de energia e a habilidade de gerenciar a engenharia de manutenção em indústrias, manutenção e modernização de máquinas em processos produtivos, entre outros.

Por fim, o engenheiro contou que sua principal motivação para seguir na área é o fato de sempre haverem novidades e ele aprender a cada trabalho.

 

Raphael Fernandes – Técnico em Elétrica e estudante de Engenharia Elétrica

Foto do técnico em elétrica e graduando em Engenharia Elétrica Raphael Fernandes. Na foto, ele posa ao lado de um ar condicionado instalado por ele
Raphael Fernandes - Técnico em Elétrica

Raphael escolheu a mesma profissão do avô e do pai. Ele conta que sempre trabalhou com obras e uma facilidade com números. Com isso, ele se dedicou a conhecer a elétrica por inteiro.

O eletricista conta que começou o técnico em Elétrica junto com o ensino médio na Faetec. Hoje, ele cursa a graduação em Engenharia Elétrica e se forma em 2021.

O primeiro contato de Raphael com a profissão foi em uma empresa de fabricação de medidores e instalação, onde foi supervisor responsável. Mas ele conta que sempre teve vontade de trabalhar para si mesmo. Ele começou fazendo pequenos serviços e assim que o desligaram da empresa, ele abriu o próprio negócio no ramo de elétrica residencial e comercial e climatização geral.

Atualmente, a rotina do eletricista é bastante corrida, já que ele preza muito pela qualidade do serviço. Ele desempenha funções de orçamento, preparação de material e execução de serviços elétricos e climatização.

Raphael contou ainda que o que mais o motiva é o amor que ele tem pelo trabalho. Ver os clientes felizes o motiva a crescer cada vez mais. Ele conta que estuda muito para se manter atualizado no mercado e conseguir se destacar mais com o tempo.

 

Guilherme Lopes – Mestre em Engenharia Elétrica

Foto do engenheiro eletricista Guilherme Lopes
Guilherme Lopes - Engenheiro Eletricista

Guilherme sempre gostou de desmontar equipamentos eletrônicos pra ver o que tinha dentro. Além disso, ele sempre gostou das disciplinas de exatas, por isso decidiu fazer Engenharia Elétrica.

Ele conta que a formação acadêmica foi satisfatória e que o permitiu construir uma base técnica muito forte. Mas ele lembra que teve muitos professores ruins e a maioria não gostava de dar aula.

Essa insatisfação com os professores acabou motivando Guilherme a criar o canal souEngenheiro no YouTube para ajudar outros alunos que estejam sofrendo com a falta de didática de muitos docentes.

Em seu mestrado, foi na área de telecomunicações e telemática. Segundo ele, essa é uma área bastante extensa, que estuda a transmissão de informações à distância por meio dos chamados canais de comunicação.

A pesquisa do Guilherme foi voltada para a comunicação sem fio e ele trabalhou com redes de sensores, sistemas embarcados e internet. Hoje ele cursa as disciplinas que precisa para entrar no doutorado.


Saiba como a Orientação Profissional pode te ajudar na hora de escolher sua profissão


Conheça nossos serviços de Orientação Profissional e de Carreira

119 visualizações